segunda-feira, 24 de abril de 2017

Se queremos que as crianças aprendam, temos de as deixar!

As crianças que contemplam a vida e apreciam o momento são mais felizes. São mais saudáveis, SAO ATENTAS

A sua capacidade de observação, a sua atenção tem de ser estimulada, não reprimida.

Uma criança que passeia ou vagueia no seu pensamento é uma criança atenta. Não é uma criança distraída

Porque estamos sempre a pedir às crianças que se concentrem em matérias que elas não estão a perceber em vez de estarmos atentos ao que as chama à atenção??


Um video delicioso, a não perder

https://www.youtube.com/watch?v=0C43F8VJZ5U

Se queremos que as crianças aprendam, temos de as deixar!
deixar contemplar e tentar aprender com isso!
Porque uma criança a espreitar, atenta ao mundo, à natureza, ao diferente... é uma "criança em estado de aprendizagem"

TPC: trabalhar em horário pós-laboral


Serão da Bonjóia
Dia 27 de abril de 2017 – às 21h15
Na Quinta de Bonjóia

Ciclo da Sociedade:
TPC: trabalhar em horário pós-laboral
Maria José Araújo


Como todos sabemos, à maioria das crianças são propostos como “trabalhos para casa - TPC” tarefas que incluem cópias de textos, repetições de palavras (várias vezes), fichas com contas e problemas diversos que na maior parte das vezes se limitam a reproduzir os conteúdos dos livros ou o que eventualmente foi feito e explicado na aula. Aliás, está quase tudo no caderno ou no livro, é só copiar. Este ritual é para muitas crianças, sobretudo para as mais pequenas, tudo o que elas conhecem como próprio do ato de estudar. De facto, ao confundir-se estudar com este tipo de “trabalhos para casa”, estamos a afastar a hipótese das crianças se familiarizarem com o interesse pelo conhecimento satisfazendo a sua curiosidade natural através da pesquisa. A escolarização é muito importante e por isso mesmo é preciso que o estudo fora da escola seja incentivado a partir do interesse e das culturas das crianças”.

Para questionar a temática TPC: trabalhar em horário pós-laboral, e mostrar a importância de dar à escola o que é da escola e à casa o que é da casa, estaremos no dia 27 na Quinta de Bonjóia.

sábado, 22 de abril de 2017

A Escola das boas noticias

Há excelentes professores que, no sossego da sua profissão, ajudam tantas crianças a crescer saudavelmente. Que cumprem a sua função e dignificam a escola pública.

" Hoje a professora levou as crianças a passear.  (8 anos de idade).
Não foi somente um passeio. 
Ela tinha pedido aos meninos e meninas que tivessem Camara fotográfica que pedissem aos pais para levar. 
Também podiam levar telemóvel. 
Ela mesmo levou uma máquina para os que não tinham.

Fotografámos imenso. 

Antes de sair da escola a professora alertou para o objetivo do passeio. : VER
Ver e captar o momento!

Tiramos várias fotos a insectos. Os locais onde passeavam, onde pousavam ... como se movimentavam... 
ver um bichinho na sua casinha (no seu "habitat" natural) é uma delicia!
contemplar um pequeno animal em liberdade é coisa que não se esquece!
perceber a natureza e poder participar desse "milagre", é uma sensação única!

Gostei , gostei muito, diziam eles e elas todos contentes. 
Calmos e agradados  com a sua professora. 
É muito fixe a nossa professora!

O que vão fazer com as fotos?
resposta em uníssono: TRABALHO DE PROJETO "

Isto sim, dignifica o ato de educar, mostra atitude educativa, sabedoria ...
establecer uma relação com as crianças e com o conhecimento, valorizar o conhecimento da vida e aproveitar para motivar e satisfazer a curiosidade das crianças ...

Hoje, há professoras que merecem o nome.
Parabéns!!

Trabalho escolar e preconceito - INACREDITÁVEL !!


Bom, hoje, as noticias são mais que muitas no meu email.
Uns queixam-se que a "diretora" da escola não deixa os meninos brincar outros, que o professor maltratou a turma  ...

e cito:

O professor entregou umas fichas para os alunos fazerem com a seguinte recomendação:

"Os meninos "normais" conseguem fazer todas as fichas rápido, os outros não.

Bem...  mais um educador que não dignifica a classe dos professores.
 Que faz com que os pais tomem a parte pelo todo.

Eu sou professora e não quero que isto se passe na sala ao lado da minha. Como faço??
Temos de acabar com isto!!


Sem palavras neste comentário.
Deixo para o leitor o comentário

Mas não consigo deixar de escrever: INACREDITÁVEL!!

BRINCAR NO RECREIO É UM DIREITO

Brincar no recreio da escola é um direito e não está "nas mãos" dos educadores  decidir se a criança brinca ou não. 

O que está "nas mãos" dos educadores é providenciar para que a criança brinque.

Está tudo virado do avesso quando na Escola Pública, uma professora decide que as crianças brincam ou não e, decide  que as crianças não podem ter bolas, cordas ou outros objetos de brincar para se entreterem no recreio.
E, não podem porquê?
 porque e cito :
                 não é permitido, ponto final!!

Esta professora, também coordenadora de estabelecimento de uma Escola pública portuguesa, gratuita e obrigatória, não sabe que brincar é um direito.
Que a escola tem de ser justa e aplicar a lei
Que a escola publica é de todos nós e quem a coordena está a cumprir um mandato, não pode exercer o poder (o seu pequeno poder) de qualquer forma pois, está a representar todos os pais e encarregados de educação, os colegas, o ministério etc...
E, não sabe que brincar no recreio é fundamental para crianças e adultos. É o único espaço de tempo que as crianças têm para inventar, reinventar e perpetuar as suas culturas, é vital para o seu bem estar ... para o seu sucesso escolar e de vida ... e é importante para todos nós.


E porque é que não sabe? - porque não está atenta à lei, porque acha que as crianças são objetos que lhe pertencem e ela pode decidir o que lhe apetecer; porque não percebe nada de culturas de infância nem de socialização; porque não sabe o que é ser criança e precisar de estar com outros, brincar e jogar! ... entre outras coisas.

Esta educadora não nos dignifica, faz com que os pais pensem que brincar é errado e, sobretudo não respeita os e as colegas da sua própria escola que, são vistos como inibidores do brincar, desrespeitadores da lei, prevaricadores/as,  quando na verdade não estão de acordo com este absurdo!


Os recreios / intervalos são para brincar e descansar quer para as crianças no seu papel de alunos/as) quer para professores/as.
 São pausas  essenciais para conversar (brincar) uns com os outros ... 

Tirar o recreio a uma criança é crime!! 
Não deixar ter no recreio objetos de brincar é ignorância e prepotência
isto é que é ponto final!!


Fica a informação:
Direitos das crianças
https://www.unicef.pt/docs/pdf_publicacoes/convencao_direitos_crianca2004.pdf

Todos tem direito a brincar
https://www.youtube.com/watch?v=16WygVG03Qg

E QUEM CUIDA DOS CUIDADORES?



"Muitas destas pessoas transformam-se em cuidadores e cuidadoras por amor e necessidade. Assistem à degradação diária das pessoas de quem gostam e estão lá. Dão o seu tempo e aprendem por instinto. Procuram informalmente quem esteja em situações semelhantes, porque é preciso partilhar informações, dúvidas e angústias.(...)
Um texto generoso, profissional, carinhoso e solidário do José Soeiro, a ler

Todo o texto:

http://expresso.sapo.pt/blogues/jose-soeiro/2017-04-21-E-quem-cuida-dos-cuidadores-

sexta-feira, 21 de abril de 2017

As crianças passam a maior parte do seu tempo diário sentadas!

As criancas passam a maior parte do tempo sentadas. Podia até ser bom para elas, mas não é. É prejudicial para a saúde , provoca mal estar etc. Pediatras, educadores, pais e investigadores/as alertam  constantemente para este assunto. As crianças queixas-se...
Sabemos disso e o que fazemos?

Os educadores (pais e professores) constantam nas suas práticas diárias que um dos maiores problemas é o tempo e o espaço para brincar e exercer o direito à atividade fisica em contacto com a natureza. Mesmo assim, preferimos crianças esgotadas, sentadas em espaços fechados.

Neste estudo divulgado pelo British Journal of Sports Medicine, part of the British Medical Journal (BMJ) , torna-se publico que é necessario estar atento à forma como temos inibido o exercicio fisico Das criancas em idade escolar.

Esta questão é um assunto de saúde pública e temos de o tratar com seriedade.
Não basta fazer estudos é preciso que os resultados sejam tidos em consideração nas práticas diárias com as crianças.


segunda-feira, 10 de abril de 2017

8 Encontro na Diferença - 10-11-12 Abril

Hoje amanhã e depois decorre na  Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Leiria o " 8 Encontro na Diferença"  sob a temática: Uma mão cheia de sonhos : Eu, tu e o mundo" 

Promovido pela CERCILEI ( Cooperativa Ensino e Reabilitação de Cidadãos Inadaptados de Leiria), este encontro junta pessoas de várias áreas e contextos que debaterão e partilharão as suas preocupações na educação e na vida.

Tal como está bem explícito na sua missão A CERCILEI "dedica-se a promover a educação, reabilitação e inclusão socio-profissional da pessoa com deficiência, potenciado o exercício da cidadania através da confidencialidade, risos, privacidade, integridade, solidariedade e responsabilidade"

Do teatro à música, desporto e saúde, crianças e TPC, intervenção precoce, violência, educação e inclusão, escolarização e familia(S) ... até à vontade de perceber como tornar a nossa sociedade mais inclusiva, agindo em consonância com os princípios da liberdade e do direito a uma vida plena.

É, concerteza, um encontro que ajudará a pensar a inclusão e o significado da vida e a forma como os diferentes agentes educativos podem ajudar a tornar os sonhos e o mundo melhor para todos e todas.

O encontro começa com as "Danças populares adoptadas da CERCILEI

Se estiver por perto não perca. Se estiver longe acompanhe ...

http://cercilei.pt

Programa
http://www.cercilei.pt/encontro-da-diferen%c3%a7a.html

TPC - porquê insistir numa coisa que não funciona?

Entrevista de Adelino Calado , a ler:

http://activa.sapo.pt/filhos/2016-06-19-O-professor-que-aboliu-os-TPC--e-os-exames-os-chumbos-as-campainhas.-

quarta-feira, 22 de março de 2017

Mestre Juvenal, pescador, artesão, carpinteiro de canoas


A escola da vida.

Companheiros, boa tarde,

 Agradeço a Deus ter conhecido o professor engenheiro, aqui ao meu lado e que já foi muitas vezes ao meu atelier. Uma honra, um oportunidade. Tem muitos académicos por ai, mas poucos têm a disponibilidade de ir até onde a necessidade existe. Ir até onde estamos faz um diferencial que ninguém imagina.

Eu conheço pouco e o meu conhecimento é também muito pouco. Já falei na rádio uma vez.. Eu nunca tinha pegado num microfone. Isto aqui é muito assustador.

As pessoas conhecedoras são as pessoas mais velhas… que acumulam nos anos a experiencia da vida. Os saberes dos professores que falam comigo no meu atelier não tem fundamento para mim. É preciso saber para entender. Se você não tem conhecimento você não preserva. (…) o tempo não dá para preservar o tempo.

Eu tenho pouca leitura mas tenho conhecimento. Sou pescador, artesão, carpinteiro de  canoas. Nós somos tratados como insignificantes. Essas pessoas olham para nós como ignorantes e gostam da nossa ignorância… acha graça a uma vida de sofrimento. Para mim é de fundamental importância que você saia do seu conforto e vá até lá ao lugar onde estamos e vivemos. Eu pesco e faço canoas no meu atelier com apenas três ferramentas.

 Até hoje mantenho a tradição de buscar o alimento para dentro de casa mas também para as populações em canoa, mas o meu filho já não quer fazer mais. Não quer esta vida de miséria e sacrifício. É muita miséria. Os nossos filhos saem da praia, saem da terra em busca de uma vida melhor porque não querem esta vida de miséria.

Eu desafio os académicos que confortavelmente falam de só ver…  Os nossos meninos não querem continuar a pobreza mas podiam continuar a arte
È por isso que eu digo que é muito bom estar aqui.(…) Precisamos de uma parceria, um casamento que faça as coisas acontecer. Bem hajam e obrigada pela vossa atenção!

A história do Mestre Juvenal é uma história viva que poucos conhecem mas muitos vivem. Uma história plena de realidade. Uma historia da escola da vida e do saber do que custa a vida. Uma vida de liberdade condicionada. 
Foi com pesar que mestre Juvenal nos foi dizendo que as crianças, hoje, abandonam a terra em busca de uma vida melhor. Mas abandonando a terra poderiam encontrar na escola uma forma de continuar a arte. 


Não teremos nós a responsabilidade de divulgar a investigação que fazemos para que na escola se compreendam estas necessidades ?

A autoridade não se impõe, conquista-se

Arquivo do blogue