terça-feira, 15 de maio de 2018

Encontro Regional dos Trabalhadores da Economia Social: Questões Laborais e Sociais

26 de MAIO 2018 
na ESE-IPP


(...) Os dados do INE (2016) revelam o peso da Economia Social em Portugal, com um universo de 260 mil trabalhadores a contribuírem para 3,8% do PIB nacional, distribuídos por cerca de 61 mil organizações... O retorno na consolidação de um corpo profissional reconhecido e valorizado, contínua com muito pouca expressão para a maioria dos trabalhadores. As IPSS (Instituições Particulares de Solidariedade Social), representam na Economia Social cerca de 3000 instituições, empregando 63.000 trabalhadores. 
Neste encontro falaremos de questões laborais, sociais, culturais e da vida dos trabalhadores e do papel que têm na vida quotidiana de milhares de pessoas de várias gerações.

Local do Encontro: ESE-IPP - Rua Roberto Frias - Porto

Organização: Sindicato dos Trabalhadores da SAÚDE, SOLIDARIEDADE e SEGURANÇA SOCIAL

terça-feira, 8 de maio de 2018

Atividades na natureza: uma estratégia de Educação Ambiental que contribui para o sucesso escolar Maria José Araújo


Durante a semana e nas horas normais de trabalho dos pais e encarregados de educação, as crianças estão na escola, no ATL ou noutros espaços fechados e muito raramente em espaços de ar livre, em contacto com a natureza. O que isto quer dizer é que nunca saem de ambientes semelhantes, marcadamente organizados em função de pressupostos educativos e sociais que negligenciam e que secundarizam (para não dizer desprezam) os aspetos vitais e lúdicos das crianças. Dado isto, e tendo em conta que os aspetos escolares são centrais na organização diária do seu tempo, torna-se-nos evidente que será necessário inverter a situação, protegendo a liberdade das crianças que têm, em primeiro lugar e sobretudo, de brincar e organizar as suas brincadeiras. As crianças só aprendem porque brincam e a cultura que a natureza pode proporcionar faz delas pessoas mais calmas, mais inteligentes, mais sábias, mais competentes academicamente, mais ativas, mais tolerantes, mais sociáveis...
Todos temos o direito humano a uma relação significativa com a natureza e temos as responsabilidades que vêm com esse direito, quanto mais tecnologia possuímos, de mais natureza necessitamos.
Há muita informação sobre os benefícios das atividades de natureza, de vários pontos de vista: intelectual, emocional, psíquico, social, educativo, cultural, lúdico... Assim, reconhecer que as crianças são “cientistas” inatas, que descobrem os animais, as plantas, o mundo nesse gigantesco laboratório de aprendizagem que a natureza propicia é reconhecer que o sucesso escolar em tudo depende disso.
A exposição ao ambiente natural leva as pessoas a nutrir relacionamentos próximos com outros seres humanos e é essencial para o sucesso de qualquer criança na escola e na vida.

O trabalho das crianças: do «trabalho independente» ao «trabalho por conta de outrem» M Jose Araújo



A entrada para a escola é a entrada para o mundo do trabalho escolar, um mundo com horários muito rígidos, com uma estrutura organizacional tributária da estrutura do mundo produtivo, das formas de divisão do tempo e do trabalho típicas da sociedade industrial. O que habitualmente se designa, simplificadamente, por escola é, na verdade, uma organização complexa e diversificada de contexto para contexto, que continua a mobilizar expetativas coincidentes para muitas famílias, como a da esperança de uma vida melhor, não obstante as formações que disponibiliza já não serem, como foram, garantia de mobilidade social e/ou de emprego. (...)



A importancia do Tempo Livre para as crianças - Revista Diversidades - M José Araújo




As crianças vivem, hoje, a um ritmo muito acelerado. O seu tempo livre é marcado por uma agenda muito preenchida, com muitas atividades organizadas em função da atividade escolar e das ocupações e preocupações dos pais e encarregados de educação, o que torna o usufruto desse tempo, correlativo de liberdade, muito difícil para elas. As crianças olham para o verdadeiro tempo livre como um tempo em que deveriam ter a hipótese de escolher o que fazer (sozinhas ou com os encarregados de educação). Mas não é assim que, na maior parte das vezes, acontece. Ao trabalho escolar, que corresponde ao ofício de aluno, juntam-se as atividades de enriquecimento curricular (AEC)1, os trabalhos para casa (TPC), as atividades no ATL (Atividades de Tempos Livres) e as explicações em centros de estudo, que resultam de ideias feitas sobre a educação, a utilidade do tempo e as atividades, e não do seu usufruto pleno.

EXPOSIÇÃO sobre o Brinquedo e o Brincar



  19 Maio a 31 Julho 2018
Biblioteca de Fânzeres, Gondomar



Abertura ao público
 dia 19  às 18.00h.

quinta-feira, 22 de março de 2018

Pre-school numeracy play as a predictor of children’s attitudes towards mathematics at age 10

by Clerkin, A. & Gillian, K.

Numeracy activities in early childhood have been linked to children’s mathematical performance in subsequent years. However, few studies have examined associations between early numeracy play and children’s subsequent attitudes towards mathematics. This study draws on the Trends in International Mathematics and Science Study (TIMSS) 2011 assessment to provide a retrospective snapshot of pre-school numeracy play reported by the parents of 10-year-old children (N = 4560). Most children were found to have engaged frequently in some form of early numeracy activity. However, children from lower socioeconomic backgrounds had less regular engagement with numeracy play, while spatial play (e.g. building blocks) was less common among girls. The extent to which children engaged in pre-school numeracy play was significantly associated with greater confidence and (for children from higher socioeconomic backgrounds) liking of mathematics at age 10, controlling for other factors. The results highlight socioeconomic and gendered differences in children’s early activities about which policy-makers, educators and parents should be aware. They also suggest the potential role of numeracy play in fostering positive attitudes towards mathematics, which should be considered amid efforts to increase participation in science, technology, engineering and maths domains.

http://journals.sagepub.com/doi/abs/10.1177/1476718X18762238

6 e 7 de abril de 2018 - Local: ESE-IPP


SEMINÁRIO
O futuro da educação e dos educadores-professores
Iniciativa da Rede para o Desenvolvimento de Novos Paradigmas da Educação em parceria com a Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico do Porto e com a Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto

domingo, 18 de fevereiro de 2018

9º Encontro na Diferença "Pela Estrada Fora eu vou"



A CERCILEI - Cooperativa de Ensino e Reabilitação de Crianças Inadaptadas de Leiria é uma instituição de solidariedade social que, para além da sua missão, promove e organiza, desde 1996, formações científico-pedagógicas no Concelho de Leiria, procurando ir ao encontro das necessidades de técnicos, pais, encarregados de educação e outros profissionais.

Informações:

Programa disponível em www.cercilei.pt
Valor da ação: 17€
Telef: 244 850 970/965


Programa
http://www.fenacerci.pt/wp-content/uploads/2018/01/Programa_9encontro.pdf

MATEMÁTICA NO 1o CICLO – “O QUE NÓS ANDÁMOS PARA AQUI CHEGAR!” - Manuel Rangel


Aparentando, por vezes, tratar-se de uma questão universal, de absoluto consenso, quase indiscutível, nada há de mais ideológico que esta questão dos “essenciais” (do que é essencial) em Educação.
Porque, se é certo que estes vão, ou podem ir, buscar os seus fundamentos à natureza humana, à natureza da criança a educar, os essenciaisdependem no fundamental do projeto que temos para esse ser humano, individual e coletivamente considerado e, consequentemente, do projeto de sociedade que vislumbramos alcançar.
Tomemos como exemplo a fórmula mais conhecida que perdurou do pensamento de Salazar relativamente à educação. Repetida centenas de milhares de vezes, a fórmula dos “essenciais” de Salazar – “ler, escrever e contar” – resume o seu projeto educativo total, clarificado e especificado, aliás, por ele próprio, para que dúvidas não restassem, de que “ao povo basta saber ler, escrever e contar; para pensar estamos cá nós!

http://www.fep.porto.ucp.pt/sites/default/files/files/FEP/SAME/docs/Intervencao_UC_MATEMATICA_NO_1_CICLO_fev14.pdf

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Escolarização em debate: rankings e escola pública


O debate público acerca da educação tem marcado posição no espaço público da comunicação social justamente através da interpelação do papel da Escola. No contexto desse debate afirma-se o pressuposto de que o que se entende por educação se confina aos processos de escolarização e que, por outro lado, há uma verdade única e absoluta sobre o projeto de escola que é "melhor para todos".
Mas a educação compreende muito mais processos e experiências que aquelas que são vividas na escola e durante a escolarização. Adicionalmente, e contrariando qualquer ideia de homogeneidade no que concerne à oferta escolar, não há uma escola, isto é, um percurso escolar uniformizado e homogéneo, padronizado, mas antes muitas "escolas" e, por conseguinte, uma enorme diversidade de projetos e de protagonistas que produzem e se vêem continuamente confrontados com discursos, tantas vezes difusos, em que se entrecruzam conceitos, vontades, sentimentos e projetos de vida. 
Falar de escola (pública, universal), em nome de todos, implica atender à grande pluralidade dos espaços sociais e das variações culturais inerentes, observando-os nas suas específicas articulações com dimensões sociais, culturais e geográficas mais amplas. Pressupõe analisar as práticas sociais e as representações que professores, pais e alunos têm dos locais que frequentam, tendo em conta as condições de produção cultural dessas representações e práticas. 
O que habitualmente se designa, simplificadamente, por escola é, na verdade, uma entidade abstrata, mas uma entidade abstrata que continua a mobilizar expectativas coincidentes para muitas famílias, como a da esperança de uma vida melhor, não obstante as formações que disponibiliza já não garantirem mobilidade social e/ ou emprego. 

Assim, os olhares externos que incidem sobre o meio escolar têm de pautar-se por perspetivas e procedimentos éticos que não ponham em causa dimensões essenciais da vida interna e privada da instituição, que não ponham em causa a vida das pessoas (com ideias feitas e comentários descontextualizados), mas que constituam uma mais-valia e uma possibilidade de ajudar a inventar o quotidiano. 

Porque vão as crianças para a escola?
Para aprender colaborativamente, trocar informação, aprender o que muitos pais e encarregados de educação não sabem, não podem e não tem possibilidade de ensinar ou fazer aprender.
Vão à escola que é a organização que foi criada para dar oportunidades a todos de aprender,  aprender com outras crianças e adultos que se formaram para isso.

Comparar escola e resultados escolares (classificações), e justificar as classificações com os percursos e dificuldades dos pais e encarregados de educação é não compreender o papel da escola publica. Seguramente as crianças e jovens não vão para a escola para ouvirem dizer publicamente que não tem sucesso porque as suas famílias não as ensinam! Porque na verdade, é justamente porque as famílias não tem as competências, os meios, as possibilidades de ensinar que a escola foi criada.
Claro que o ideal é que neste processo de aprendizagem haja colaboração entre todos os agentes educativos (pais, professores, encarregados de educação etc) que juntamente com os alunos ajudem a pensar a melhor maneira de todos cumprirem o seu papel. E, sobretudo que a escola possa ajudar muitas crianças (pessoas) a ter uma vida melhor. 

Melhor porquê?
Porque  mais conhecimento e mais formação permite escolher a vida em vez de ser por ela escolhido/a.

Dizer que os alunos/as não tem sucesso escolar porque os pais/EE são oriundos de classes sociais desfavorecidas e não trabalham conteúdos escolares em casa, é dizer que a escola foi criada para alunos cujos pais/EE são oriundos de classes sociais favorecidas?

Não me parece que o possamos fazer.

Então estará na altura de arranjar outra explicação para a dificuldade de conseguir que todas as crianças e jovens tenham sucesso escolar. Porque dizer que as crianças que vem de meios sócio-económicos desfavorecidos não tem sucesso na escola porque as famílias não as educam e não tratam de fazer o seu papel é não compreender a razão para que foi criada esta fantástica organização que é: a escola!!

E, é também dizer que na(s) escola(s) os diferentes agentes educativos não sabem fazer o seu papel. E, isso também não é verdade. Porque todos os dias todos nós, professores trabalhamos imenso para que os alunos compreendam o beneficio que é ter uma instituição que se preocupa com o seu percurso escolar e de vida!

E então como se faz?
Fazendo!!

A autoridade não se impõe, conquista-se

Arquivo do blogue